De Lampião a Frei Damião: A idolatria escraviza o sertanejo

Se não bastasse venerar homens e mulheres que figuram nas histórias bíblicas, o Nordeste, desde as mais remotas eras, buscou seus mitos como quem busca Deus. Seguindo a tradição de povo cristão monoteísta, cultuou um só mito de cada vez e jamais passou uma só década sem achar um novo. Alguns pesquisadores dizem que Lampião e Frei Damião são as duas faces de um mesmo movimento de busca por um “salvador” da pátria. A ordem é ter esperança de vida, construída com as próprias mãos, como no cangaço, ou pelas bênçãos de homens considerados santos. Mas a busca não pára por ai.

Primeiro foi A n t o n i o Conselheira. Morreu ele e imediatamente os sertões fixaram sua devoção na figura do Padre Ibiapina. Com sua morte, a esperança coletiva migrou para o Padre Cícero. Morreu Padre Cícero e veio Frei Damião, e a idolatria continua. Ser mito religioso é atingir a santificação, o endeusamento. Nada tem caráter mais poderoso, mais inquestionável que um santo, uma entidade espiritual. Seus seguidores não admitem qualquer dúvida, por menor que seja sobre a moldagem divina do ídolo.

Frei Damião e Padre Cícero ainda hoje conseguem arrastar multidões de romeiros em bisca de milagres e de uma gota de esperança, enquanto a palavra do Evangelho não chega com a verdadeira fonte de água viva que é Jesus. Centenas de estátua de um ou de outro padre, estão dispostas nas entradas das cidades ou em pontos estratégicos, anunciando a idolatria.

Padre Cícero

Juazeiro do Norte cidade do Sertão cearense a 528 km de Fortaleza, conta com cerca de 250 mil habitantes e é conhecida em todo o Brasil como a “Terra do Padre Cícero” Cultuado como mito e santo pelo povo nordestino, Padre Cícero atrai milhares de romeiros ao município, tornando-o o segundo maior pólo de turismo religioso do Brasil, que chega a receber 2 milhões de fiéis por ano. Como a cidade respira a imagem do mito, as atrações e pontos turísticos de Juazeiro são homenagens ao santo. A Estátua do Padre Cícero na Serra do Horto é a terceira maior obra de concreto do mundo, com 27m de altura, só ficando atrás da Estátua da Liberdade, em Nova York, e do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro.

Padre Cícero nasceu e morreu no Ceará onde viveu 90 anos. No ano de 1872, pau co depois de sair do seminário, foi designado pároco de Juazeiro. Segundo divulgado no museu criado aos pés da estátua, logo nas primeiras noites na cidade teve um sonho que classificou como visão ao relatá-lo em uma carta enviada ao bispo. No sonho, uma multidão de retirantes invadia a sala em que se instalara no arraial para passar a noite, e um homem em vestes sacerdotais apontava para a multidão e dizia: “Tu, Cícero, toma conta dessa gente”. No museu, essa história é contada como sendo uma ordem dada por Jesus, que estava cansado dos pecados da humanidade e pediu para o padre ajudá-lo.

Fraco e quase cego, embora sempre lúcido e atendendo os romeiros, Padre Cícero morreu em 20 de julho de 1934. Desde então, no dia 20 de cada mês, seus devotos em Juazeiro do Norte se vestem de preto em sinal de luto a seu patriarca e sai em romaria pela cidade.

Por: Eudete Petelinkar
Jornalista – Missionária na Missão Juvep, professora e palestrante.

:: Fonte: Revista Todos Nós

About these ads

Tags:, , , ,

About Projeto AMIGOS

Somos um grupo formado por voluntários envolvidos com a obra missionária, visando a promoção de ações sociais.

2 responses to “De Lampião a Frei Damião: A idolatria escraviza o sertanejo”

  1. Moysés Magno says :

    Sou da Segunda Igreja Batista no Rio de Janeiro.Passando por aqui encontrei vocês,Bênção! Sou um modesto apologista debatendo com católicos romanos a respeito da nossa Fé. Damião,Anchieta,assassino do Pastor Balleur, e os papás do passado, fazem parte do meu interesse,no sentido de esclarecer e evangelizar pessoas.
    QUE DEUS CONTINUE AJUDANDO OS IRMÃOS NAQUELA QUE É A MELHOR LUTA DO MUNDO: A PREGAÇÃO DO EVANGELHO!

    Moysés Magno

  2. Moysés Magno says :

    A idolatria é a lepra que castiga a humanidade. O idólatra não percebe que a sua “doença” é mortal, em termos espirituais! É uma missão bela e preciosa dos que lutam, sem descanso, para anunciar JESUS, O MÉDICO DIVINO. QUE DEUS os abençoe, fortaleça e capacite para levar o Evangelho que liberta para esses cegos espirituais.

Fique a vontade para deixar seu comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 6.977 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: